No escurinho da sala

Ainda anestesiado com a grande noite de S. João, a semana começou logo com uma consulta hospitalar de rotina, para ver se as minhas cataratas já estavam do tamanho das do Niágara ou, se ainda permaneciam do tamanho de um ribeiro qualquer em tempo de Verão.


A espera não foi muito longa, mas o novo sistema informático (mais um) instalado durante o fim de semana (segundo informação no local), estava a criar alguns problemas no atendimento e a colocar a cabeça das funcionárias e corpo clínico, em polvorosa.
Talvez por isso, o médico que me atendeu,  ainda eu não me tinha sentado, já estava a fazer uma dissertação relativamente ao programa informático, ás condições de trabalho dos médicos, as exigências (e objectivos) que lhes são feitas, enfim, um discurso do qual eu estou totalmente solidário e bastante conhecedor.


Até aqui tudo bem. O Dr. queria desabafar, era segunda-feira, a noite de S. João tinha sido recente (se calhar até esteve de serviço), o programa não o deixava trabalhar em condições… enfim, eu até compreendo, mas o problema é que ele estava com todo aquele discurso/desabafo, sem se calar um bocado, ao mesmo tempo que me fazia a consulta, ora pegando numas gotas e colocando nos meus olhos, depois uma data de aparelhos, e mexe aqui e mexe acolá, agora olhe para aqui, agora não pestaneje, e vamos lá ler o que está ali e agora aqui (mas tudo isto intercalado com a tal dissertação) … e eu a ver quando é que ele se calava, ou pior ainda, me enfiava alguma coisa que não seria de enfiar…


Felizmente a consulta chegou ao final, sem problema ou engano algum. O Dr., já sentado na sua cadeira (até ali esteve quase sempre de pé, à excepção de dois momentos em que esteve junto a aparelhos necessários na consulta), bem encostado, olha para mim e diz  «está tudo bem, ainda não é necessária intervenção cirúrgica, vamos só fazer uma pequena alteração nas lentes»,  ao que eu quase de imediato, me levanto para o cumprimentar e sair do gabinete, quando ele… 

-O meu amigo é casado?
- Sou sim, com uma colega do Dr…. 

- O quê, casado com uma médica? Ó coitada da Senhora. Médica? Coitada. Mas olhe, dou-lhe os meus parabéns pela sua paciência! Ou já estão divorciados? 
- Não, não estamos divorciados. Este ano fazemos 35 anos de casados. 

- Então os meus parabéns a dobrar, e já agora extensivos  à minha colega médica. Coitada... Médica. 
- Pode dar pessoalmente os parabéns. Ela está ali sentada, no cantinho escuro da sala, desde que eu  entrei.

- Oooooooops! Preciso de um café.




😆😛
Tudo de bom!



É um saltinho

Com ou sem balão, com ou sem fogo de artifício (de cana), com mais ou menos folia, a famosa Noite de S. João está aí e não há igual.


Aproveitem, porque daqui até ao Natal é um saltinho…


Tudo de bom!




Nem que seja no fim do mundo

E de repente, reparo que afinal não é assim tão mau viajar de avião. No entanto cada qual sabe de si, e eu continuo a ter a mesma opinião (mesmo depois desta extraordinária experiência), que é não gostar, não me sentir bem e não é a ”minha onda”. 

Mas, como alguém disse: “desafio superado” e fico feliz.



O objectivo da viagem foi visitar o meu filho que vive e trabalha no estrangeiro, e assim juntar o útil ao agradável, resultando numa semana em família, com muita conversa, muito passeio, copos e boa disposição, em locais e cidade que eu desconhecia.




Só espero que ele não mude muitas vezes de País 😄… mas estarei sempre pronto para o visitar, nem que seja no “fim do mundo”, claro que sim!


Até breve Cracóvia (Kraków) !

Tudo de bom.

:)
;)

Disso eu entendo muito bem.

É verdade, há coisas que não entendo e não há mesmo volta a dar. 
Por exemplo:

- Sou obrigado (mesmo sendo careca), a usar touca sempre que vou para a piscina, seja em utilização livre ou em aulas. OK. Mas agora pergunto, e os utilizadores que têm mais barba (é moda) que cabelo? E aqueles que são autênticos tapetes de arraiolos a p/b? Hein? Como é que é?


Não entendo.😕

- Segundo as normas internacionais em vigor, eu não posso levar na minha bagagem de mão/cabine, os meus produtos de higiene e afins, tipo perfume, creme de barbear, creme hidratante, gel de banho (sou vaidoso, eu sei), a não ser naqueles frasquinhos minúsculos que mais parecem os frasquinhos que usamos para fazer análises…. No entanto, mal o avião levanta voo e ainda nem sequer coloquei os auriculares nos ouvidos, já estou a levar com a venda tipo feira de Custóias (só falta mesmo o megafone) precisamente de produtos que eu sou impedido de levar, e em tamanhos XL. Como é?

Não entendo.😕


- Como condutor também tenho que ter em atenção (sempre tive) que devo guardar distância entre os ciclistas e sempre que tiver necessidade de os ultrapassar (consultem a lei que eu não sou o código de estrada), o que eu acho muito bem, pois também já fui ciclista. Mas agora pergunto eu, e os senhores “ciclistas” que se passeiam entre as viaturas, que não param nos sinais, passam para os passeios sempre que lhes dá jeito e que não efectuam sinalética nenhuma sempre que mudam de direcção, são filhos de algum ministro? VIP’s, ou serão algum novo tipo de veículo prioritário que desconheço?

Não entendo.😕

- Também é moda, e “bonito” ver agora pela cidade, pessoas que usam a referida bicicleta como meio de transporte para o seu trabalho e deslocações do dia a dia. Por mim tudo bem. Dizem que é ecológico, poupam dinheiro em transportes e cuidam da sua saúde e eu acredito que sim, mas não consigo compreender nem aceitar, como é possível eu ir a circular no meu carro, atrás de uma bicicleta, sem nenhuma luz, conduzida por um adulto com auscultadores (!) nas orelhas,  e  que leva  numa daquelas “cadeiras” ou “cestos” (não sei como lhe chamar), uma criança?! Como é que é? 
Como condutor e sempre que transporto uma criança, sou obrigado a usar uma cadeira própria (certificada e muito cara), cinto de segurança e ai de mim que o não faça.


Não entendo.😕

Mas há mais coisas que não entendo, que vão ficar para outra ocasião. É sábado, está um dia bonito, é feriado nacional, dizem que é Dia de Portugal, o beijoqueiro e Presidente das ‘Selfies’ anda pela cidade, e eu tenho que tratar da minha mala de viagem sem o meu perfume preferido… lá terá que ser.😊


Nos próximos dias estarei a saborear  “a minha primeira vez”, e disso eu entendo  muito bem. Como tal, é muito provável que não tenha muito tempo para passar por aqui, mas fica a promessa que depois contarei (não tudo, claro) como foi. 
Até lá já sabem, fiquem bem!
😎


Tudo de bom.

:)
;)

Pode apalpar à vontade

Ontem foi dia de ir às compras, e na lista estava incluída uma mala de viagem, porque as que tinha estão todas “emprestadas”.
Não perdi muito tempo pois sabia o que queria e onde encontrar.


(Já no interior da loja)
- Parece tão frágil este material …
- É do melhor que há. Pode apalpar à vontade.



Preferi não apalpar…

Tudo de bom.
:)
;)